Tlm. 931 612 825 | Tel. 253 962 739

Bem-vindo à Clínica Veterinária Animal Especial.

Piometra em cadelas e gatas

A piometra é uma infeção bacteriana a nível do útero de cadela e gatas. É um distúrbio uterino mediado pela hormona reprodutiva progesterona que atua para manter a gravidez, embora esteja presente em todo o ciclo reprodutivo. Após o período de cio, esta hormona diminui as defesas naturais do útero, tornando-o suscetível a infeções de bactérias que habitam normalmente a vagina e que “sobem” através do cérvix para o útero infetando-o.

Causas

As causas da piometra estão relacionadas com o ciclo hormonal. Após o cio, as concentrações de progesterona aumentam e este facto diminui as concentrações uterinas, facilitando certas mudanças no endométrio. Isto, por sua vez, favorece o crescimento bacteriano.

As cadelas e gatas de meia-idade e geriátricas, não esterilizadas ou que estiveram sob a ação de anticoncepcionais apresentam maior predisposição para o aparecimento desta infeção. A piometra pode desenvolver-se de duas formas:

  • Piometra aberta: O colo do útero permanece aberto, pelo que as secreções uterinas podem drenar;
  • Piometra fechada: O colo do útero fica obstruído devido à aparição de nódulos no endométrio, pelo que as secreções não podem drenar e acabam por se acumular, dando lugar à inflamação do útero. Trata-se de uma situação aguda que evolui rapidamente para um estado bastante grave.

Sintomas

Os sintomas da piometra incluem: secreções vaginais sangrentas ou purulentas, febre, prostração, desidratação, vómitos, diarreia, polidipsia e poliúria (excesso de ingestão de água e de produção de urina).

Diagnóstico

O diagnóstico é feito com base na anamnese e exame físico, sendo confirmado por meio de ecografia ou radiografia abdominal.

Tratamento

A esterilização – ovariohisterectomia – é o tratamento de escolha depois do animal estar estabilizado através de internamento para administração intravenosa de soro, antibióticos e anti-inflamatórios.

Como prevenir?

A melhor forma de prevenção é a esterilização. Contudo a não administração da pílula e de medicamentos abortivos reduz a probabilidade do surgimento da patologia.